terça-feira, 17 de março de 2015

ERRO DE PARALAXE








« A paralaxe consiste em um aparente deslocamento de um objeto observado, que é causado por uma mudança no posicionamento do observador.
( … ) »

in aqui





Ora, se o observador for, em simultâneo, o observado, que erro maior de paralaxe não ocorrerá?
Esse será o erro do tamanho de um Buraco Negro, da Coisa como já no texto anterior me predispunha, por fim, a admitir considera-lo.
Pelo seu ângulo de visão, inflexão estratégica, o observador, estou a escrever sobre mim mesmo, introduz, sistematizadas, simetrias nunca antes assim, estruturantes, consideradas.
Essas simetrias formam um todo coerente e homogéneo, integram-se na nossa visão de conjunto e o observador, eu próprio e por defeito, considera serem elas fruto, não do seu próprio, entretanto, alterado ângulo de visão mas de fatores exteriores, aleatórios, da Coisa ou de um Buraco Negro.
Só que o negro ou a fusão multicolor do buraco que encerra advém da sua, do autor, câmara escura …
É, porém, esse erro que ao observado e, em simultâneo, observador lhe permite toda uma construção nunca antes considerada.
É essa, então, uma visão distorcida da realidade?
Sem pernas para andar?
Pronta a cair pela base?
Ou há apenas que ajustá-la com a tal coisa, buraco ou com a câmara escura de quem, afinal, se observa e reflete?
Sendo esse buraco a coisa auto-observada aproxima-se, como nunca, do real.
Assim, firmados, por fim, os outros dois pilares torna-se, então, possível sintonizar o terceiro com a restante triangulação.
Com as devidas desculpas, o buraco sou eu na obra que se disponibiliza, ângulo ímpar ou furação, fresta, prospetiva de futuro.
Aqui vos deixo, com a humildade possível e, por fim, à devida consideração.



se é certo que escrevemos sempre sobre nós mesmos acontece que por vezes somos disso os últimos a apercebermo-nos mas uma coisa é certa, se não tivesse derrubado tantas barreiras ao ponto, quiçá, do inverosímil, também não teria ido tão longe na redimensionação fundamentada do real como os três últimos dos meus posts, em si mesmos, pilares angulares, refiro-me a Carta Ao Papa Francisco, Resolução Teórica De Um Duplo Equívoco e Triangulação Estratégica, somados a este meu presente reforço e reajuste autocrítico, o conferem





dedicado aos meus leitores, em particular, na pessoa do Rui David








Jaime Latino Ferreira

Estoril, 17 de Março de 2015



4 comentários:

manuela baptista disse...

buraco?

uma enorme cratera repleta de conceitos e quem saberá comentar?

é que agora vês tudo com outros olhos :))

Kika disse...

Kriu?

Um dia, atrevi-me a comer uma folha de alface e olha, o que me salvou foi mesmo o "Paralaxe", tal a soltura que me deu...

Kriu!

disse...

Eu, passo os dias a fugir da trela e tu, no Facebook, encontraste a trela toda!

ki.ti disse...

e então prefiro o Relaxe numa almofada ao sol