quinta-feira, 22 de março de 2012

ESCALA





Subi lance de escadas e de lá vi
o que gostei de ver porque sorri
do seu alto o mundo pesem os maus
momentos que esqueci de imenso caos 

Difere a perspetiva nos degraus
cromáticos que são vistos de outros graus
conforme a suba ou desça aquilo que ri
resvala quando vai do dó para o si

Ou quando do mi para o fá meios-tons senti
qual súplica de uma escala que por fim
se rende a uma simples conclusão 

Escala é uma escada e nos seus vãos
não encontro o tom para os teus nãos
quer suba ou quer a desça oiço um sim


 

a música não diz não






Jaime Latino Ferreira
Estoril, 22 de Março de 2012

4 comentários:

manuela baptista disse...

andante

é a sonata, a escada, a escala

compasso
é o que nos faz chegar longe


mesmo que o dó seja maior!

Hanaé Pais disse...

A escala da clave fá é complicada, mas vai...
Quando toco piano, estabeleço um acordo entre a direita e a esquerda.
Ainda não compreendi porque é que a esquerda complica tudo.
Tal como Saramago:
Deus não deve ter a mão esquerda, porque todos se sentam à direita do Pai. Memorial do Convento.
Gostei muito.

BRANCAMAR disse...

Jaime,

Muito interessante esta relação poética entre a escada em caracol e o teclado de um piano.

Muito lindo o poema e a imagem também.

Beijos

ki.ti disse...

Eu falo francês.