sábado, 28 de agosto de 2010

FLOREADO - III -

flores silvestres
-
Silvestre a flor que eu aperto
de minhas mãos com acerto
no que aqui escrevo um padrão
meus sins que não dizem não
-
Rola tanta opinião
tanto saber que se são
sentenças aqui por perto
denuncio de peito aberto
-
Por resolver um aperto
em que se afunda sem chão
um Povo sem ter um tostão
-
Seguras na minha mão
neste árido deserto
sobram-me flores com que alerto
-
na denúncia de novos e ameaçadores pogroms e de toda a xenofobia que deveriam envergonhar a Europa
-
Cantata
-
Jaime Latino Ferreira
Estoril, 28 de Agosto de 2010

23 comentários:

Jaime Latino Ferreira disse...

FLOR VIII


Que acontecerá no fim de semana, maior ou menor afluxo de visitantes!?


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 28 de Agosto de 2010

. intemporal . disse...

.

. re.dizendo Amália Rodrigues,,, as flores do campo são e serão sempre as mais belas,,, as que crescem des.ordenadas ao sabor de todas as estações .

.

. este é um poema de floreados, que rasa as asas de tantos pássaros que não podem voar,,, condicionados pela dureza da vida diária onde todos os tempos se transformam ir.remediavel.mente em contra.tempos . contra o tempo que temos .

.

. particular.mente bonito este momento .

.

. numa altura em que aqui me sinto em casa .

.

. um bom domingo .

.

. paulo .

.

BRANCAMAR disse...

Não sei porquê, encontrei pelo caminho, nos meus ícones um jardim apelativo que me trouxe até aqui e mais que um jardim de flores silvestres encontrei um jardim de flores humanas, as minhas flores preferidas, que muito me comoveu, tanto, que vou embora em silêncio e volto logo, sim?

Mais logo comento o poema.

Até já, fiquem com Deus.

Beijinhos

Branca

BRANCAMAR disse...

Volto,


Volto, porque não resisto a flores tão lindas e coloridas, apoio a denúncia e cubro-a também de flores campestres, das mais lindas que vejo pelos campos desta minha terra.

E sem ser de propósito mas porque sou adivinha(?):)) acabei ocasionalmente por ter dos mais bonitos encontros que poderia esperar.

Beijos e bom fim de semana.
Branca

manuela baptista disse...

cala-te lá com o afluxo

e deixa-me falar...

o tempo dos ciganos é o nosso tempo

habituados a um quintal ao pé da porta, são enfiados em prédios de habitação social (?) onde se atabafa, onde não há terra, nem couves e onde os seus cães fiéis não têm lugar!

os seus cantos também não

e na escola, a professora exige que as meninas sejam todas iguais sem perceber que ninguém é todo igual e que a diferença é feita de muitos ritos

e que se a navalha fere não é forçosamente um cigano que a sustem

e se em cada 5 reclusos 2 são ciganos apenas quer dizer que os advogados cobram caro e que a escolaridade e a formação universitária é apenas uma miragem para muitos

e se aquele rapaz dos olhos tristes a quem eu recuso a compra do "borda d'água" é cigano da Roménia e eu resmungo "vai passear..."

apenas tenho que me envergonhar!

claro que não é a venda de folhetos que apenas têm utilidade para sabermos quando se semeia o trigo sarraceno, que vamos resolver o enorme problema da exclusão e da miséria de tantos

mas é com o despertar das conciências e com a exigência de uma Europa solidária e justa, que não lance poeira para os nossos olhos

nem faça das minorias o bode expiatório das crises

e claro!

com um poema bonito e floreado

enfeitado das flores silvestres, aquelas, onde os Roma gostam de deitar a cabeça a contemplar o céu

e eu também!

Manuela

Maria João disse...

Jaime

As flores silvestres fazem-me sempre lembrar a infância e a simplicidade das coisas. Todas as crianças gostam de andar pelo campo a colher malmequeres, papoilas e alfazema, como andorinhas felizes a celebrarem em voo rasante a chegada da primavera.
Símbolos de um tempo em que os afectos desfazem todas as diferenças.

Um abraço

Jaime Latino Ferreira disse...

PAULO


Meu Caro,

Pois então sinta-se em casa e em casa não fazemos cerimónias!

Às vezes, mesmo, caímos em ambiguidades ou complexidades maiores mas, a essas, não há nada como esclarecê-las sem omissões ...

Em casa, no seio da amizade, mais vale sermos duros, zangarmo-nos mesmo, quantas vezes se esquece que este é, também, um sinal de afecto e de que as pessoas não nos são indiferentes!

Em casa, por fim, não nos ameaçamos uns aos outros nem aos nossos dela os pomos a andar ...!

Em casa, aconteça o que acontecer, desculpamo-nos uns aos outros ...


Paulo

Meu Amigo,

Sabe, amiúde dou-me conta da sorte que tenho mas em relação a isso, como posso eu regateá-la!?

Ou então, deixar de dizer o que tenha para dizer, o contrário seria passar um atestado de menoridade aos meus interlocutores e por maior que seja a adversidade que, eventualmente, lhes bata à porta!?

Em casa, abrem-se as portas de par em par e recebem-se os amigos sem ressentimentos e de braços abertos.

Assim, poderemos, de facto, rasar e fazer despontar as asas de todos os que, connosco, queiram voar!

Um grande Abraço, Seu e reconhecido


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 28 de Agosto de 2010

Jaime Latino Ferreira disse...

BRANCAMAR


Minha Querida,

Já calculava que ficaria comovida ...!

Um beijinho


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 28 de Agosto de 2010

Jaime Latino Ferreira disse...

BRANCAMAR


Uma vez mais,

Também calcularia que, de pronto, se associaria à denúncia aqui feita ...!

Mais beijinhos


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 28 de Agosto de 2010

Jaime Latino Ferreira disse...

MANUELA BAPTISTA


Mas que afluxo o teu ...

Associo-me inteiramente a ele!


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 28 de Agosto de 2010

Jaime Latino Ferreira disse...

MARIA JOÃO


Querida Amiga,

É como escreve ...

De seguida, vou ao Seu blogue!

Um beijinho


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 28 de Agosto de 2010

. intemporal . disse...

.

. jaime,,, .

. muito . muito obrigado .

.

. e,,, .

.

. o "afluxo" é importante sim,,, por isso, há uns tempos que também levei daqui [roubando in.decente.mente] o planisfério para os meus blogues e sempre que nasce um pontinho a oriente fico todo contente .

.

. como sabe, adoro o oriente,,, amo.de.amar o oriente,,, e tenho lá um pontinho num país que nem sei qual é,,, mas, estou certo que o jaime me saberá ajudar e ir ajudando neste género de descobertas .

.

. neste e em muitos outros,,, .

. ;) .

.

. e agora sim,,, .

.

. um .

.

. dois .

.

. três .

.

. abraços felizes .

.

. paulo .

.

. p.s. já re.parou que o "mulherio" não se cala? e de.pois nós é que somos assim.e.assado.e.frito.e.cozido ... :))) .

.

walter disse...

Jaime,

venho dár-lhe um abraço rubro de felicidade e...se me deixar levar uma flor do seu jardim, dou-lhe outro abraço agora verde de esperança... posso?:))

walter

Jaime Latino Ferreira disse...

PAULO


Meu Amigo,

Em primeiro lugar, o Mundo ou é de todos ou não é de ninguém, por isso, não roubou planisfério coisa nenhuma!

Depois, se vi bem e tanto quanto a dimensão do planisfério permite perceber, esse Seu tal pontinho a oriente situar-se-á algures na raia entre o Paquistão e a Índia ...

Finalmente sobre o mulherio e que este me perdoe tal designação tão brejeira:

Então o Paulo não sabe que a este se lhe parte o coração quando as flores silvestres retomam velhos hábitos e entre si confraternizam!?

Não me agradeça já que reconhecidos estaremos os dois, um abraço tão tripartido e feliz como o Seu


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 28 de Agosto de 2010

Jaime Latino Ferreira disse...

WALTER


Meu Caro Amigo,

Mas que patriota o Walter anda!

Claro que me pode dar os abraços que entender, rubros de esperança por maioria de razão e leve lá quantas flores quiser embora, convenhamos, não se equiparem às Suas ...!

Um grande Abraço ( meu e de que cor!?)


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 28 de Agosto de 2010

Jaime Latino Ferreira disse...

FLOR IX


Está visto, o contador de visitas atingiu as 2 650 o que perfaz um total de 160 consultas em vinte e quatro horas, inferior, portanto, ao verificado nos dias úteis.

Em compensação, a qualidade dos comentadores que a esta caixa, até aqui, acederam foi surpreendentemente gratificante e ao encontro, aliás, do tema aqui tratado!


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 28 de Agosto de 2010

Jaime Latino Ferreira disse...

FLOR X


Mais um pontinho vermelho nos EUA ...

Na Flórida, será Miami ...!?


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 29 de Agosto de 2010

Dulce AC disse...

"Em casa, aconteça o que acontecer, desculpamo-nos uns aos outros ..."

Olá Querido Amigo...!!

Vim aqui num pulinho e fiquei maravilhada
tantas e tão bonitas flores silvestres...

é a natureza a pulsar em nós
e num fechar de olhos inspiramos
inspiramos de novo...
e sentimos a Vida
nesta plenitude

de nos sentirmos em casa,
quantas vezes como tão bem escreve...
desculpando-nos uns aos outros...
gostei muito Jaime:

das palavras
das flores
do respirar da Vida nesta Cantata

um, dois... abracinhos de inteira e sentida amizade e de muitas saudades...(Olá Manuela..)!

Dulce

Jaime Latino Ferreira disse...

DULCE AC


Querida Amiga,

Então, não está de férias!?

Ou mesmo assim não resistiu a vir dar uma espreitadela!?

Realmente, que seria deste jardim sem a flor que a minha Amiga é!?

Vá, divirta-se!

Beijinhos


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 30 de Agosto de 2010

Dulce AC disse...

Querido Amigo...
sentido obrigado pelas Suas palavras.

Jaime ...
Olá (!) já regressei..!

Este ano tive poucos dias de férias..é bem verdade...
mas foram bons.

Muitos beijinhos de sentida amizade...

dulce

Jaime Latino Ferreira disse...

DULCE AC


Minha Querida,

Não me interprete mas, apetece-me dizer assim:

Ainda bem, assim temos, antecipado, o prazer da Sua companhia!

Beijinhos


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 3 de Setembro de 2010

Dulce AC disse...

Na verdade sei de certo que o prazer é primeiríssimo e todo para mim...pois mesmo de férias houve um dia que não resisti e vim dar uma espreitadela...um pontinho apareceu e era eu

afinal também podemos ser pontinhos em qualquer parte do mundo
não deixa de ser interessante pensarmos nisso...

mais muitos beijinhos

dulce

Jaime Latino Ferreira disse...

DULCE AC


Marota!

Não me diga que o pontinho de Madrid era a minha Amiga a cuscar por aqui!???

Pontinhos ... píxeis de grão de areia!

Beijinhos


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 4 de Setembro de 2010