quarta-feira, 28 de setembro de 2011

TUDO O QUE SEI


Olbinsky

Tudo o que sei não é nada
o que de seu tem é abstracto
é como desenho de estrada
à qual lhe falta o substrato
 
Nos traços fica o compacto
da construção que pensada
longe está do árduo acto
de a erguer por mão suada

As contrariedades da enxada
rugosidades de facto
pedra alcatrão e contacto
 
Mas sem o desenho qual pacto
entre o real e a sonhada
ideia por mim criada



sem sonho a realidade seria insuperável e sem amor insuportável


 





Jaime Latino Ferreira
Estoril, 28 de Setembro de 2011

5 comentários:

manuela baptista disse...

delinear o sonho

é como não sabermos nunca
nada

a mão
o facto
a estrada
o pacto
a construção pensada

e lançá-los às estrelas maiores que o firmamento tem


em primeira mão, no blog! a música e as estrelas

muito bonito!

Linda Simões disse...

Muito bonito, muitíssimo!

E essa cumplicidade do casal também !


Muitos beijinhos aos dois,


Linda Simões

Maria João disse...

Jaime

Meu amigo

Tudo o que sei nada é, e se disso não tiver consciência, menos será ainda.

Um abraço

OceanoAzul.Sonhos disse...

Continuo a preencher o espaço reservado a esta nobre senhora - a Palavra, por momentos magnificos como este que acabo de ler.

Que o sonho comande grande parte da vida e a melodia persevere...

Um abraço
oa.s

Jaime Latino Ferreira disse...

OceanoAzul.Olhos


Seja bem vinda a este meu blogue!

As mais cordiais saudações


Jaime Latino Ferreira
Estoiril, 6 de Outubro de 2011