domingo, 20 de maio de 2012

CÉU E TERRA




Podem céu e terra estar distantes
fechados um do outro como dantes
do mar se dizia ter abismo
ou fenda simulada por um sismo
 
Podem céu e terra virar costas
dizerem-se não mais estarem dispostas
as coordenadas que os cingiram prestas
a ambos os religando como frestas
 
Mas se um buraco no céu volveu aresta
ou cabo ultrapassado num presságio
em tudo o que aqui canto neste estágio

Já tudo o que da terra é apanágio
se importa enaltecer não se abra cismo
no amor que ao céu esconjure sem lirismo


 

 

Jaime Latino Ferreira
Estoril, 20 de Maio de 2012

2 comentários:

Filomena disse...

Jaime!


Mozart e a sua alegria inconfundível,

leve e espiritual. Gosto da música e das palavras


Beijinho


Filomena

manuela baptista disse...

na terra

um homem escuta Mozart

não é um homem qualquer e quem toca o violino é uma mulher

o céu não tem lugar cativo, tanto viaja sob, como sobre as nossas cabeças
basta apenas sentir a energia de um foguetão e ser lua ou uma outra dimensão

não saberemos nunca quem nos escuta ou quem é escutado

e
com buraco ou sem ele,
bonito o soneto!