quarta-feira, 25 de maio de 2011

O PODER FRAGILIZOU-SE - IV -

mapa 3D da proporção de matéria escura


Podemos olhar para a evolução com um olhar meramente antropológico, antropomórfico e concluirmos que, graças aos avanços tecnológicos e civilizacionais, o poder se fragilizou.
Podemos olhar para tudo isso, nessa mesma constatação, com um olhar mais amplo que não apenas o de uma perspectiva antropológica ou antropomórfica.
A escrita é da anti-matéria a matéria negra
Em boa hora se enviou para o espaço, para a Estação Espacial Internacional em construção, um detector de ambas estando elas presentes por todo o lado …!
Aqui, naquilo que escrevo!
A escrita pondera, equaciona o que vai para lá da estrita razoabilidade, do cientificamente comprovado tal como a criatividade na arte o expressa também.
O poder fragilizou-se mesmo na sua representatividade democrática …
Erguem-se um pouco por todo o lado Praças Tahrir como se demonstrando a fragilização do poder, mesmo que democrático, nos discursos estafados que o vão esgotando.
A escrita, sendo matéria negra é a organização primária da anti-matéria, do que está para lá das simples evidências …
… e a política tradicional, nelas focadas, nas simples evidências de um imediatismo primário refém do mediático tende mais e mais a nelas se esgotar!
Tal como a ciência, pela experimentação e partindo das hipóteses que se formulam, negra criatividade (!), dá saltos de exponencialidade sempre crescente, a Política para o ser, ou é ousada nas interrogações que formule, tomando a iniciativa estratégica ou tenderá a ver-se mais e mais ultrapassada pela força esmagadora, desintegradora dos acontecimentos correndo sérios riscos de colapsar.
E sem essa ousadia … é a própria Democracia que, arrastada pela vertigem da aceleração histórica das partículas, lhe poderá seguir no encalce!
Há muito tempo já que formulei a hipótese de termos ou estarmos envolvidos num processo de Travessia de um Buraco Negro e nada me garante que não tendo esta hipótese em consideração tendamos, cada vez mais a não saber como abordar o real dele perdendo, por completo, a adesão.
Permanece de pé esta minha hipótese que em muito precede a sua abordagem neste meu blogue.
E permanece também o silêncio que à minha hipótese a parece também omitir nos riscos crescentes que a sua própria omissão possa, cada vez mais, representar.
A fragilização crescente do poder democrático cujos riscos obrigam ao seu aprofundamento, como já, por aqui, exaustivamente também desenvolvi é, em si mesma, mais uma prova da Travessia para a qual, de há muito que Vos alerto!


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 25 de Maio de 2011

15 comentários:

Jaime Latino Ferreira disse...

AOS MEUS LEITORES E COMENTADORES


Encerra-se aqui e para variar, não uma trilogia mas um quarteto, O Quarteto do Poder.


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 25 de Maio de 2011

Linda Simões disse...

É verdade,Jaime.

Há tempo tu vens alertando sobre a questão da fragilização do poder democrático e das questões intrínsecas a tal assunto...

O que nos falta? Um debruçar sobre as origens de tal fato com mais rigor(?), acredito. Pensar na questão do poder como algo mais amplo e que diz respeito a todos...Há poder e poderes...

Artigo de extrema clareza,que nos faz refletir sobre o nosso papel como cidadãos... Estamos nós fazendo a nossa parte? E se estamos fazendo,de que maneira teremos resposta? Será uma resposta lenta que se arrasta junto com o sistema vigente?

...


Um grande beijinho de saudade

dos amigos queridos,


Linda Simões

manuela baptista disse...

"se não nos deixarem sonhar, não vos deixaremos dormir"

é este também o meu recado

aos frágeis poderes



manuela

Jaime Latino Ferreira disse...

LINDA SIMÕES


Minha Querida e fiel Amiga,

O que nos falta ...?

Sobre essa temática persisto denudadamente no que ela tem a ver com todos e com cada um de nós.

Com cada um de nós, repito!

Estamos nós fazendo a nossa parte, pergunta-me e à Sua pergunta só cada um poderá responder por si e não em bloco, em lobbie, como força corporativa ou de pressão ...

Esse é apenas um lado da Democracia mas não o bastante!

Como escrevo no segundo texto deste quarteto e a rematá-lo, o que é que deve, melhor, tem de imperar, a força da palavra ou a palavra da força?

Quanto a mim, saberá, é a força da palavra, palavra essa que se arquitecta, tão só, na singularidade de cada um de nós, individualmente considerado e à luz dessa mesma Democracia.

Eu, pela minha parte, sei o que tenho dado, no correr do tempo, pelo reforço dessa arquitectura!

Terei sido mais esclarecedor?

Um grande beijinho


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 26 de Maio de 2011

Jaime Latino Ferreira disse...

MANUELA BAPTISTA


... e ter-se-ão eles já dado conta disso!?


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 26 de Maio de 2011

Jaime Latino Ferreira disse...

FRAGILIDADES I


35 005 = + 150 visitantes!


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 26 de Maio de 2011

Jaime Latino Ferreira disse...

LINDA SIMÕES


Uma vez mais e ainda em resposta ao que me escreve, assim:

" Estamos nós fazendo a nossa parte? E se estamos fazendo,de que maneira teremos resposta? Será uma resposta lenta que se arrasta junto com o sistema vigente? "

Se estou fazendo, já Lhe respondi, implícito, que sim, sim, vou fazendo a minha parte, fundado na força, na coerência intrínseca da palavra!

Quanto à resposta:

Ela vai vindo, por exemplo no reconhecimento que uma instituição grada da Cultura Portuguesa como é o Centro Nacional de Cultura comigo já formalizou, comunicando-me encontrarem-se os meus documentos depositados na sua biblioteca muito bem acompanhados, isto é, na companhia de grandes autores que se exprimem na mesma língua ...

Junto ou contra o sistema vigente:

Não me parece que possa ser contra já que ele, esse sistema não só é o que garante as liberdades fundamentais como, em consequência disso mesmo, se torna imprescindível ao seu próprio aprofundamento de tal modo que se reveja no cidadão comum e singular no cumprimento concomitante e indispensável da vontade da maioria ...

... sendo certo que esta implica, repito, a salvaguarda das opiniões minoritárias, tão minoritárias quanto as que se revejam no próprio cidadão individualmente considerado:

Numa prova a arrastar-se no tempo, concerteza mas que o calibre e ateste!

Mais beijinhos


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 26 de Maio de 2011

Jaime Latino Ferreira disse...

FRAGILIDADES II


35 110 = + 105 visitantes!


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 26 de Maio de 2011

Linda Simões disse...

Sim, a força das palavras. E com tamanha maestria, amigo.

Bravo!Parabéns!Tu mereces.

Um grande beijinho aos dois,

Linda Simões

Jaime Latino Ferreira disse...

LINDA SIMÕES


Querida Amiga,

... não menos merece quem me acompanha tão persistentemente!!!


Um beijinho transatlântico


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 27 de Maio de 2011

Fézada disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Jaime Latino Ferreira disse...

FEZADINHA


Canito,

... tens a certeza!?

Auf, cãodigo eu!!!


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 27 de Maio de 2011

Maria João disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Maria João disse...

Jaime


De ousadia e fragilidades, fala o meu amigo. Duas forças inversas mas que em conjugação, podem ser propulsoras da energia vital que escasseia.
Se não houver uma força criativa que ouse expandir, toda a força centrifuga enfraquecerá em pouco tempo.
Há muito tempo já, deveríamos todos saber, que as forças se compreendem melhor se aceitarmos a existência de buracos negros.

Um abraço amigo e bom fim-de-semana.

PS ( Hoje é o dia de todos os erros. As minhas desculpas, pelos eliminados... )

Jaime Latino Ferreira disse...

MARIA JOÃO


Minha Querida,

Escreve de buracos negros e eles surgem, hélàs, nos seus próprios comentários eliminados ...!

Não se preocupe!

Insisto, porém, na ideia do Buraco Negro não como simples ou complexa metáfora mas na sua acepção astrofísica!!

Aquele eixo axial que me destrinça!!!

Um grande e gratificado beijinho com toda a reciprocidade


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 27 de Maio de 2011