quarta-feira, 2 de março de 2011

CRISE VERSUS CRISE

Entalados entre duas crises, a económico-financeira ou a da chamada dívida soberana por um lado e a de representação política por outro, os estados democráticos debatem-se num dilema diante do qual não há fortalezas (!), por muito que se queiram iludir, que os resguardem:
A Norte é o contracto social que se vê, permanentemente, posto em causa;
A Sul são as novas ferramentas que ao indivíduo conferem soberania amplificada derrubando ditaduras que se julgariam sólidas, que às instituições as fazem desmoronar abrindo um vazio sem precedentes e que à própria Democracia, na sua solidez, a desafiam.
Ameaçados de contágio por uma e por outra via, pela económico-financeira e pela de representação política, os estados democráticos hesitam entre a contabilidade estrita e as derivas resultantes do incontornável, porque ele está aí (!), aprofundamento da própria Democracia de resultados, quiçá (!?), imponderáveis.
A crise que avassala, por ora ainda e só (?), o Norte de África e o Próximo Oriente é a crise de representação que os estados democráticos não sabem ou fingem não saber até que ponto os põe, os ameaça de por em causa no estrito pragmatismo que os tem orientado externamente, não poderão deixar de viver sem ele (!) mas que às suas próprias debilidades intrínsecas as não deixam de cavar, fragilizando-os!
Onde deverá conduzir o aprofundamento da Democracia?
Onde deverá conduzir a sanidade das finanças públicas?
Se a primeira não poderá fazer tábua rasa do indivíduo soberano nas provas de fidelidade que à Democracia e no tempo, este preste e delas dê provas independentemente da dimensão política mais ou menos amplificada em que elas se traduzam, a segunda, sendo, ela também, incontornável, não se poderá, tão pouco, realizar à sua própria custa.
O dilema é sério, a crise não pára de se cavar e não adianta protelar no tempo o que se vai tornando insofismável e por demais, por estas duas vias, tremenda e quasi incontrolavelmente contagioso!


entre o indivíduo e a História


Handsome or Torture


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 2 de Março de 2011

10 comentários:

manuela baptista disse...

Homo abilis versus Homo sapiens

a História constrói-se

por muito que se aprofunde, há sempre o que permanece à tona

em crise

manuela

. intemporal . disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Jaime Latino Ferreira disse...

MANUELA BAPTISTA


... só que, à tona, podemos afundar-nos de vez!

Foi o que aconteceu ao Homo Habilis ... lascou-se na pedra!

Eu, apenas me lasquei no estojo do triângulo ao tentar tirá-lo diante da enrascada em que me vi metido!!!

( para mais pormenores, consultar a caixa de comentários da página anterior )


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 2 de Março de 2011

Jaime Latino Ferreira disse...

PAULO


Querido Amigo,

E mesmo que a Manela introduza, por aqui, a variável resultante da interacção entre a habilidade e a sabedoria!

Para Si também, um grande Abraço


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 2 de Março de 2011

Jaime Latino Ferreira disse...

VERSUS I


25 210 = + 190 visitantes nas últimas vinte e quatro horas!


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 2 de Março de 2011

Jaime Latino Ferreira disse...

VERSUS II


Passadas mais vinte e quatro horas o meu contador subiu para 25 370 consultas, isto é, mais 160 visitantes!


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 3 de Março de 2011

BRANCAMAR disse...

Estou com a Manuela, há sempre o que permanece à tona e se reconstruirá, como sempre, apesar do sacrifício de alguns.

Há já muitos passos para a reconstrução da História, que de pequenos se tornarão gigantes.
Sou uma confiante nata.
Só tenho pena de já não estar cá para ver.

Beijos para um estudioso sonhador e muito aprofundador.

Branca

Jaime Latino Ferreira disse...

BRANCAMAR


Querida Amiga,

Mas que confiante nata é essa que já não estará cá para ver ...!?

Who knows!?

Beijinhos


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 4 de Março de 2011

Analuka disse...

Por vezes, fico pensando quantas querelas, quantas vaidades, paixões, sonhos, vontades, desilusões misturam-se ou confundem-se neste pequeno ponto azul do cosmos...

Abraços alados!

Jaime Latino Ferreira disse...

ANALUKA


... mas é assim que o mundo pula e avança ...!

Um beijinho


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 5 de Março de 2011