terça-feira, 10 de abril de 2012

ARREDONDADAS PERGUNTAS - II -

cativo só de meus anseios, fotografia de mb


Quando será que os políticos no ativo aprendem que se é para exigir infindáveis sacrifícios estes terão de ser compensados por boas notícias, réstia de esperança que à Democracia, pesem embora os primeiros, a justifique e aprofunde plenamente?
Quando será que os políticos no ativo, a não agirem em conformidade persistindo, a estas últimas e por meias ou inteiras palavras, em adiá-las para as calendas, à Democracia não deixarão de continuar a prestar um mau serviço?
Quando será que os políticos no ativo, deixando-se de tacticismos que tanto ajudam a explicar o ponto a que chegámos, ao Serviço pelo mérito o reconheçam, na resiliente e persistente entrega de quem, com P maiúsculo e na primeira pessoa, aqui o reafirma com denodo?
Quando será!?
Quando será que os políticos no ativo, deixando de nos tomar por aquilo que não somos, no reflexo que projeto à catarse que nos sublimará, determinados, se conformarão?





Jaime Latino Ferreira
Estoril, 10 de Abril de 2012

3 comentários:

manuela baptista disse...

inda o ar educa?

eu acho que os políticos tomam-nos exatamente por aquilo que somos

demasiado pacíficos, menos mal, lá se vai andando

Jaime Latino Ferreira disse...

MANUELA BAPTISTA


Se fosse por sermos brandos, onde isto já estaria!?


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 10 de Abril de 2012

BRANCAMAR disse...

Jaime,

Ando tão cansada da política e dos políticos, mas deixo um beijinho e amanhã volto para comentar melhor.

Sabe, é que das 13h às 20h vejo por vezes tanta miséria, alguma de espírito, mas outra bem escondida, verdadeira e digna. Há pessoas que já não comem e que por vezes não se contêm, em momentos em que as cordas sensíveis lhes fazem jorrar lágrimas pela cara abaixo.´

É muito fácil fazer leis nos gabinetes almofadados e não imaginar sequer os dramas da vida real.

Ia só deixar um beijinho, mas afinal acabei por comentar, mesmo assim volto.

Branca