segunda-feira, 2 de abril de 2012

CANTO BREVE

fotografia de mb




Encho de palavras o meu mar fecundo
estéril que não é desta minha verve
é este meu mar um lugar sem fundo
cristalinas águas de monção que ferve

Tempo favorável a navegar se atreve
a ir de um ponto ao outro a escalar o mundo
do meu ao teu lugar canto de almocreve
que ecoa sem parar e deste choro inundo

Sendo este meu mar o que vos deixo é tudo
assertivo ver de um olhar miúdo
escreve-se no ar virtual e breve
é como uma prece que a florir me leve

Leve como a pena que a voar te escreve
que mais vale jogar as páginas deste ludo


florais são os jogos que eu te canto
 



Jaime Latino Ferreira
Estoril, 2 de Abril de 2012

5 comentários:

manuela baptista disse...

afinal

este Shakesperiano é o mais bonito!

Jaime Latino Ferreira disse...

MAIS


E ali, frente a Madagáscar, mais um pontinho vermelho naquelas que julgo serem as Ilhas Maurícias ou Maurício (?).

Benvindas sejam!


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 3 de Abril de 2012

ki.ti disse...

Não conheces os sonetos kititatianos...?

Maria João disse...

Jaime

Meu amigo

"Sendo este meu mar o que vos deixo é tudo
assertivo ver de um olhar miúdo"

Retenho estes dois versos.
Eles dizem, indubitavelmente, da razão porque gosto tanto de o ler.

Um beijinho

Jaime Latino Ferreira disse...

KI.TI


Não, só conheço os sonetos kitkatianos!!!

Tens um?


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 3 de Abril de 2012