sexta-feira, 13 de abril de 2012

UMA MESMA HUMANIDADE




Escrevo um V de verso e nele inteiro
a todos numa mesma Humanidade
a esta alegria que me invade
deixo entrar como sendo seu porteiro

Nela oiço odes de igualdade
às quais canto e das quais se sou useiro
também delas num estandarte sou vezeiro
e lhes junto o anseio da liberdade 

Canto hinos que vos deixo como esteiro
tua e minha nossa imensa dignidade
da qual fiz minha bandeira e meu mosteiro 

Uma reza que se ergue sem idade
sem o tempo que nos prende e no qual leio
ser eterno o desejo de irmandade
 

anseios comuns
 

( a MA que me disponibilizou esta interpretação literalmente monumental da Ode da Alegria )




Jaime Latino Ferreira
Estoril, 13 de Abril de 2012

7 comentários:

Dulce disse...

Jaime, que belo no que de tanto alento nos dá a beleza, ao contemplá-la, também, pelas palavras, no caso, as Suas, belíssimas..

Levarei mais tarde.
Um abraço Amigo de Obrigado,
e porque não, desejar-lhe, desejar-vos, um fim de semana muito Bom.

dulce ac

manuela baptista disse...

humanamente lindo!

Eva Gonçalves disse...

Anseios partilhados! :) Abraço!

BRANCAMAR disse...

Muito lindo este poético desejo de irmandade, acompanhado de uma espectacular versão da Ode da Alegria.

Muito bom Jaime.

Beijinhos

Isabel Venâncio disse...

Obrigada, Jaime.
Se não me mandasse por email, ter-me-ia passado ao lado, este espetáculo único. De emoções, de silêncios, de música belíssima, de júbilo ... A uma só voz, apesar de serem mil.
Tenho tanta pena de não saber música!
E como sempre, porque o meu presente é feito de passados, relembrei uma situação relacionada com o primeiro espetáculo de estreia da Casa da Música - Da primeira liberdade.
Era o David o designer de luz; não havia dinheiro ou o material tardava em chegar. E o David debatia-se com a dificuldade em pôr em prática o que tinha imaginado.
Ao ver este coro de crianças e jovens - relembrei uma conversa de sofá, depois de jantar.
"Mamã, se o material não chegar todo e a tempo, só tenho uma solução -iluminar a cara de cada uma das cem crianças do coro. Quero que os pais as possam identificar e ver os seus olhos brilharem!"
Neste vídeo, reparei numa jovem de olhos húmidos de emoção!
Obrigada, Jaime.

Filomena disse...

Jaime,


Sermos humanos, tão só


Beijinhos

nacasadorau disse...

Igualdade, fraternidade, humanidade!
Um belo poema numa fusão perfeita.
Obrigada.

Beijo