quarta-feira, 7 de outubro de 2009

A QUADRA

A chuva tem destas coisas ...
Fertiliza e dá frutos!
Quadra após quadra e, nada me livra que outras interpelações não venham ainda a surgir (!?), nessa aparente naiffeté que a esta forma poética a caracteriza como popular e tão disseminada, mimei os meus comentadores da página anterior com redobrado gosto e encanto.
Nem a Google mais a celebração do aniversário do código de barras, a que resolveu dar destaque, escapou!
Por ser uma forma poética na superficialidade apontada na sua génese como ingénua e popular, terá, por isso, mais reduzido valor que a leve a classificar-se como menor?
Só se for na tonalidade musical que a mim nem me intimida, nem me constrange e nem me faz considerá-la, num pretenciosismo balofo e pseudo-intelectual, como não sendo merecedora da maioridade que, por reconhecido mérito lhe devesse ser concedida.
Fonte de inspiração, logo improvisando pela quadra se exercita a poética.
A quadra ...!
Onde nos levaria ela!?
-
Em quatro versos se encaixa
historiazinha que embala
alegre não se rebaixa
canção é que chora e cala
-
-
Jaime Latino Ferreira
Estoril, 7 de Outubro de 2009
António Aleixo

16 comentários:

Jaime Latino Ferreira disse...

QUADRA


Pelo poder de síntese, na rima mais ou menos livre e no ritmo, ele também não necessariamente quadrado mas que obrigam a musicalidade intrínseca, escondidos se encontram os ingredientes que, na métrica e uma vez interiorizados, à matriz poética a formatam como fonte de inspiração inesgotável.

Na sua aparente simplicidade, uma forma se dispõe qual impressão digital ou pegada, raíz da qual a poética se expande nos seus sempre inesperados contornos e perplexidade semântica.

Atrever-me-ía a dizer que a partir deste conceito poético que se é popular não menos clássico se tornou e da rigidez da sua forma, a poética se expande sem fim ...


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 7 de Outubro de 2009

J. Ferreira disse...

Humilde e parca homenagem ao poeta, Jaime Latino Ferreira

Como não consigo encontrar, para replicar, um dos livros do Aleixo, que sei tenho por aí...aqui vai prosa da casa!

Como poeta não fui, nem sou,
Só a prosa se me amontoa
Por isso, a voz se me regougou
Servindo-me, assim, da do Pessoa!

que passo a citar

Música...Se eu pudesse ter,
Não o que penso ou desejo,
Mas o que não pude haver
E que até nem em sonhos vejo

(Fernando Pessoa in poemas inéditos 1930/35 -Átila)

Um abraço

Jaime Latino Ferreira disse...

JOSÉ FERREIRA


Caro Zé,

Já te estava a sentir a falta mas, pelos vistos, tu também me interpelas a que te replique, a ti e ao Pessoa, em quadras soltas!

Aqui vão:


Não te sirvas do Pessoa
ergue então a voz em prosa
mas tua quadra já soa
a poesia bem gostosa

A Pessoa dou-lhe uma rosa
sabendo que a música ecoa
sem se ver é bem formosa
desejo que não pensa à toa

Abraços poéticos


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 7 de Outubro de 2009

Filomena disse...

Ora aqui está uma coisa que não sou capaz de fazer: rimar


Beijinhos


Filomena

manuela baptista disse...

QUADRA DE BARRAS

Eita quadrinha danada
em Madrigal se tornou
no polifónico canto
foi ali e já voltou

Linda, o que é que quer dizer "eita"?

Será que estamos a dizer palavrão?

Manuela Baptista

manuela baptista disse...

Ana Cristina

Estes comentários são tantos que já me perco...

Íamos na chuvada com o Alex...
Cão feliz, Amor Cão!

Eu gosto de uma boa chuvada, só que agora há por aqui umas telhas a meter água (não! não são sobre a minha cabeça).

As casas com história têm destas coisas, pregam-nos cada susto.

Um beijo

Manuela Baptista

manuela baptista disse...

Filomena

rimar é como amar
vamos com a corda toda
mas com o piso molhado
todos temos que abrandar

um beijo

Manuela Baptista

Linda Simões disse...

...

Eita Manuela querida
que não falo palavrão
Sou professora arretada
Lá das brenhas do Sertão...

...


rsrsrsrs


Eita - exclamação,ficar impressionado,abismado

Arretada - legal
pode ser agitado,excitado,nervoso,inquieto,depende da frase

Brenhas- lugar longe


kkkkkkkkkkkkkkkkk


Beijinhos

Jaime Latino Ferreira disse...

FILOMENA


Minha Querida,

Rima que rima no ar
não é apenas sentir
é conseguir conjugar
o que saibas estar para vir

É um imenso respirar
é o teu e o meu sorrir
é a vontade de dar
o que se converta em rir

Pode ser também chorar
a tristeza do fingir
a alegria de cantar
sem saber para onde ir

É este ritmo sem par
em métrica a percutir
que se instala no meu estar
e que quero sacudir

Beijos


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 7 de Outubro de 2009

Linda Simões disse...

Jaime,

sou pequena...

Te deixo com Pessoa,que é grande!


rsrsrs


Beijinhos

Jaime Latino Ferreira disse...

LINDA SIMÕES


Querida,

Eita, moita carrasco!

Afinal lá fez uma bela quadra!!

Bravo, não é poeta o tanas!!!

E o esforço valeu mas, como escrevo nas quadras que escrevi à Filomena, esta toada entranha-se de tal maneira que, às tantas, até já custa sair dela e é preciso sacudi-la porque fica a matraquear num ta ta ta ta ta ta ta ta e mais ta ta ta ta ta ta ta ...

Repito, bela quadra Linda!

Escusava era de traduzir o português todo ...

( Sempre quero ver se sabe o que é moita carrasco e o tanas )

Aqui quem se ri sou eu!

Beijinhos


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 7 de Outubro de 2009

Jaime Latino Ferreira disse...

LINDA SIMÕES


Carago!!!

Agora escrevemos ao mesmo tempo!?

Pequena nada e pessoas somos todos incluído o Pessoa!

Beijíssimos


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 7 de Outubro de 2009

Linda Simões disse...

Jaime,

estava postando a minha "quadrinha" quando vi teu comentário para Filomena e hora da postagem...rsrsrs


ENTÃO,quase esperei por tua resposta,mas fui trabalhar...


Obrigada,vindo de um professor,eu acredito no elogio.Sem bajulação.

Mas agora responda (pode rir!):


moita carrasco
tanas
carago


???


rsrsrs


Manuela,

onde estás ?

...



Beijinhos aos dois

Jaime Latino Ferreira disse...

LINDA SIMÕES


Eu bem me queria parecer!

Aí vai:

moita carrasco - no contexto em que foi escrita a expressão, pode ser entendida como um reforço do Eita mas o seu sentido corrente é népias ou seja nada.

Por exemplo:

Eu perguntava-lhe e ele ... moita carrasco!

O tanas - no contexto em que empreguei a expressão o que estou a dizer é que a minha Amiga é poeta, sim senhor!

Assim:

( ... ) não é poeta qual carapuça, é sim senhor!

carago - aqui deixa-me um bocadinho atrapalhado mas não vou fugir ao assunto:

Em português de Portugal há outra palavra começada por C que é equivalente ao carago que se utiliza no norte do país, na região do Porto.

Carago, no entanto, tem um sentido mais abrangente e menos ordinário ...

Neste contexto é uma expressão de perplexidade, como quem diz chiça.

Sabe o que é chiça?

Como quem diz apre.

E apre, sabe o que é?

Caramba é, neste caso, o seu sentido.

Isto tudo porque as palavras têm que ser interpretadas no contexto em que se utilizam.

Agora, veja lá (!), se neste pais tão pequeno ( cochicho ) a linguagem varia tanto, o que não será com o Atlântico por intervalo ou na dimensão da sua terra!?

Já viu, pois se já viu(!), se até já queria traduzir tudo!!!

A Manuela anda por aí só não teve ainda tempo de aqui vir-Lhe prestar as suas homenagens ...

Beijinhos e saiba que se me queria entalar, desentalou-me


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 8 de Outubro de 2009

Linda Simões disse...

Jaime!


Eita que estou ENTALADA
E um pouco ruborizada
Sim senhor!
Também,fui provocar um professor...


...

Beijinhos


Linda Simões

Jaime Latino Ferreira disse...

LINDA SIMÕES


Minha Querida,

Não, não fique ruborizada e desentale-se já que se me provocou, eu estava a pedi-las!

Já agora, ai do professor que não saiba fazer frente a qualquer provocação!!!

Beijinhos


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 8 de Outubro de 2009