sábado, 28 de novembro de 2009

DIZ QUE DIZ-SE

Há no diz que diz-se qualquer coisa de extremamente corrosivo, não bastasse a corrosão natural das palavras e que logo na maledicência de um encoberto por fontes fidedignas mas anónimas à credibilidade a desmorona na praça pública, sem possibilidades de defesa.
Esse é sempre um incontornável e pesado risco de quem publicamente se expõe!
No diz que diz-se que se insinua pardacento e incógnito, coscuvilheiro, não há honorabilidade que se aguente intacta.
O que dirão nas minhas costas os que me comentam sim, pela calada e sem qualquer benefício construtivo?
Tenho, tenho a presunção de ser ambicioso e depois!?
Comentemos por partes:
Presunção.
À presunção já houve, entre os meus comentadores e com toda a frontalidade, reconheço e sublinho-o, quem lhe chamasse não um pecadilho mas um pecadão!
Admitindo-o logo de pronto Lhe respondi e agora comento:
E depois, felizmente já não vivemos numa sociedade confessional porque a essas, às confissões, guardo-as para o lugar certo!
Ambição.
É ilegítima a ambição?
Pergunto com maior assertividade ainda, que seria de nós se a não tivéssemos!?
E acrescento, por fim, se não estará nos meios que utilizemos para a concretizar que poderá residir, aí sim, a sua legitimidade!?
Estas foram questões que à minha consciência interpelaram como sempre a interpelam, a da ambição implícita na presunção mas que, frontal e directa ou indirectamente me foram, há umas páginas atrás, por uma minha amiga, leitora e comentadora, com pertinência colocadas.
Agora, pergunto-me sem que por tal me deixe condicionar, o que não se dirá nas minhas costas!?
A esses todos que, sinuosos, na fogueira da boataria se imolam, porque a mim não me sacrificam (!), respondo que ao menos tenham a hombridade de me o escrever na própria cara, o mesmo é dizer, neste meu blogue!
-
( A Mac, amiga que me comentou oportuníssima embora, até agora, por uma só vez mas que espero que por quantas outras venha a reincidir )
-
-
( Com este endereço se encerra um ciclo musical pré-natalício, como quem ao Nascimento o interpela com o pano de fundo da Morte, dedicado à música sacra )
-
Jaime Latino Ferreira
Estoril, 28 de Novembro de 2009

17 comentários:

mac disse...

Ignoro o que de si (ou de mim) se dirá nas suas costas. Não sou de «diz que diz» ou «diz que fez»; sou de «disse» e sou de «fez».
De si, digo o que penso e o que lhe digo: um tipo extremamente interessante, meio louco meio génio, como não pode deixar de ser quem se interroga e interroga o mundo. Cultura e sagacidade, abundantes; humor e rebeldia, assaz; malvadez e irreverência, qb.
Como não amá-lo?...
(e vão duas...)

Jaime Latino Ferreira disse...

MAC


Excelsa Amiga,

Bestial!

Só um pequeno pormenor a quem na minha casa, Sua também (!), finalmente circula:

Neste texto, se fazia questão em escrever do diz que diz-se, ele não Lhe é dirigido.

Dirigido a Si é tudo o que em relação a Si explicito e nada mais!

É que, importa contextualizar, o que aqui se escreve é também um enredo com fio condutor que, se vem de trás, para a frente continuará ...

Não, não Lhe estou a sugerir que leia tudo do princípio o que seria malvadez mais que bastante a que não A quero sujeitar!

Tê-La, no entanto, por aqui a comentar, para mim que já li o Seu comentário da página anterior significa que vão três e não duas, já é extremamente consulador e reconfortante.

Mac, se me permite eu também a amo, mas não exageremos!!!

Beijinhos


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 29 de Novembro de 2009

manuela baptista disse...

Adoro a vizinhança e as comadres todas a boatar!

E que difícil era nesse tempo, com telefones fixos e quem sabe, central telefónica e uma telefonista que perguntava:
-Que número?

e respondiam:

-Número? Que disparate! Queremos só insinuar que a vizinha do 19 discutiu com o marido e que o chefe do Sr.Menos o mandou passear.
Pode fazer circular a mensagem?

-Claro! Não estou aqui para outra coisa...

Agora não, com os telemóveis e a internet as cantigas de maldizer criam-se a si próprias, ninguém as pára. E então com as escutas? É só escutar...

...

Quanto ao Hombre

a sagacidade, o génio, a loucura, o talento,
está tudo certo. Malvadez é que não tem nenhuma!

Malvada sou eu! Podem já começar a enviar sms, sff.

Manuela

J. Ferreira disse...

Como te compreendo meu caro...

Para que percebas porquê, direi somente que há mais de 30 anos, perdi um processo em tribunal, devido ao testemunho da parte contrária - tentando, à falta de provas, dar credibilidade a presumíveis factos - ter alegado, entre outras fantasias "...ter ouvido dizer que...ou ter sido visto a..."

Essa técnica indigna, insidiosa e caçarreta não me chocou, vinda de quem veio.

O que mais me chocou foi o facto de o juiz não ter perguntado:
"ouvido dizer ou ter sido visto por quem e quando" e, isso, dessa forma, ter sido aceite como válido, para formar juízo e julgar!

A conselho do meu causídico não recorri, como devia. Se fosse hoje, fá-lo-ia por certo.

Um abraço,

José Ferreira

Ps. Se te queres livrar da corrosão, sugiro que compres uma lata de ácido fosfórico (grau industrial). É um óptimo anti-corrosivo.(e anti-oxidante) Nota que até a Coca-Cola o utiliza (embora no grau alimentar)

Jaime Latino Ferreira disse...

MANUELA BAPTISTA


E no tempo de Cristo ...!?

Sabes, sei-o, de como um imenso boato alimentado à exaustão e pese Ele ter dito que coisas havia que não deveriam passar do Seu círculo mais próximo o que sabia que não iria acontecer (!), contra Ele se viraram e de que maneira!

Pese embora hoje ser o Primeiro Domingo do Advento, na refrega ainda dá para escrever isto:

A transmissão do discurso oral é uma coisa, escrito, porém, é outra!

Já te apresentei a Mac!?

Mac, aqui a tens a minha mulher, Manuela Baptista!

Meio louco, meio génio ...

Manela ... explica-Lhe!


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 29 de Novembro de 2009

Jaime Latino Ferreira disse...

JOSÉ FERREIRA


Meu Caro,

Não, não quero livrar-me da corrosão das palavras ainda que quando escritas delas não se poderá dizer nem escrever o que não dizem nem escrevem ...

Corrosão que baste!

Abraços


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 29 de Novembro de 2009

Jaime Latino Ferreira disse...

MAC


Querida Amiga,

Já reparou, só mesmo aqui, escrevendo-nos e apresentando-A a minha mulher o que a vai obrigar, ao menos (!), a ler os diálogos desta caixa de comentários, malvadez que baste como o escreveu, é que cometi o deslize de a tratar a Si por tu coisa que nem nas nossas lides o faço!?

E depois diga-se lá que a blogosfera não aproxima as pessoas!

Bom Domingo, beijinhos e cumprimentos a Seu marido


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 29 de Novembro de 2009

Filomena disse...

Jaime!

Nunca saberemos o bruá que de nós todos, os que andamos por estes meios,se dirá e se fará. É uma reflexão que por vezes o meu Amigo vai fazendo e eu sei disso.
O diz que disse se calhar é tão antigo quanto a própria Humanidade a partir do momento em que se estabeleceu a comunicação e se percebeu que maldizer tinha graça.


Beijinhos e um resto de bom domingo

Ana Cristina disse...

Se Portugal podia viver sem boatos?

Podia.

Mas não era a mesma coisa,rsrsrr!!!

Beijinhos.
Nini(com um sorriso para o meu sobrinho David):)

manuela baptista disse...

iMac!

Olá Ze!

Nini,

este país tem de viver com tudo e mais alguma coisa, embora eu ache que os boatos são universais!

abraços a todos

Manuela

manuela baptista disse...

...é verdade

ouvi dizer que mesmo aqui ao lado dormirá o rei de Espanha

e os outros um pouco mais acima
viradinhos para o mar numas suitezinhas modestas...

(sou incógnito)

MB

Ana Cristina disse...

Ai Manuela,o que por aqui se diz da malta e afins que por estes dias trabalham afincadamente aí para as bandas do Estoril/Cascais.

E anda a minha amiga a referir-se a pormenores sobre as suites onde vão pernoitar Reis e Presidentes.

Qual quê!, nem suites,nem modestas,os homens vieram para trabalhar em prol da inovação e conhecimento do território que fala "portunhol".

Tá a ver a maledicência!

Beijinhos.
Nini

Jaime Latino Ferreira disse...

FILOMENA


Minha Querida,

Então diga-me lá as maledicências que a meu respeito brua por aí?

Sei que perceberá a ironia implícita.

Muitos beijinhos


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 29 de Novembro de 2009

Jaime Latino Ferreira disse...

NINI


Minha Querida,

Ai, ai, o que torto nasce tarde ou nunca se endireita!

( Eu cá, então, ao Seu sobrinho, dando-lhe uma cotovelada discreta e piscando-lhe o olho, comento: ... das tias que te livraste, felizardo!)


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 29 de Novembro de 2009

Jaime Latino Ferreira disse...

MANUELA BAPTISTA


MB = Muita Boataria

Não lhe liguem!


Jaime Latino Ferreira
Estporil, 29 de Novembro de 2009

Jaime Latino Ferreira disse...

ANA CRISTINA


Isso era o que vocês queriam!

Qual portunhol ... lisbonhol sim!!!

Não querem lá ver as tripeiras!?


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 29 de Novembro de 2009

Jaime Latino Ferreira disse...

JEANJEAN


Seja bem vindo a este meu blogue!


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 29 de Novembro de 2009