sexta-feira, 19 de março de 2010

I - QUANDO

The road to...
-
Quando há vinte e um anos me decidi lançar nesta empresa, aquela de pela via do diálogo, da escrita, expondo e defendendo os meus pontos de vista em Obra que então não imaginaria vir-se assim a desenvolver, logo comecei, simbolicamente e porque disso então tive a oportunidade, por despedir-me dos empregos onde trabalhava visando com esse gesto dar a entender a gratuitidade descomprometida do serviço a que, então, tomei mãos.
Tratava-se também de uma imperiosa necessidade de disponibilidade.
Nessa altura, a escrita surgia, ela também, como uma autêntica revelação ...!
A escrita e a fala, antes primeiro a fala, desemburrada que começou a escorrer qual canto surdo de um outro perdido no tempo, primevo e cristalino ...
Dei, então, esses sinais simbólicos de, pelo despojamento, ao serviço que abracei, este mesmo que ora prossigo a ele me dedicar por completo na entrega que assim quis deixar bem clara.
Entrega sem cálculos nem oportunismos, sem um pé cá e outro lá, assim e apostando tudo no desafio a que me senti à altura de abraçar ...
Fui escrevendo e remetendo em atitude que por consequente fiz questão que ficasse bem sublinhada, mas depressa percebi ou fui percebendo pelas ineludíveis circunstâncias, que a prova de fogo a que voluntariamente me tinha decidido de mim iria pedir mais em nome da própria sustentabilidade da decisão a que me havia proposto e decidido.
Refiz a minha vida, agora centrada nesta missão, é assim que lhe chamo, a de provar ser possível, indispensável mesmo, reconciliar o um com o zero, o cidadão comum, singular com o institucional e sem recurso a outra que não esta via, a do diálogo como acima referi, dirigindo-me às mais altas instâncias do poder político democrático e do confessional também e sem recurso a tropas de choque ou outras que não a força dos argumentos, no desejável contraditório que à minha acção, porque de acção se tratava como continua a tratar, interactivo se estabelecesse e vingasse.
Do correio postal, sempre dirigido a três ou mais destinatários ao correio electrónico e deste até aqui chegar, passaram-se vinte e um anos e à dimensão da Obra, confesso-Vos, já lhe perdi o rastro e o tamanho, não as suas consequências, dispersa como se encontra e ainda mais agora, na blogosfera e por aqui prossigo sem todavia desmobilizar.
Quando a tal me decidi e a este passo o dei, mal sabia eu o que iria encontrar pela frente!
Tinha apenas uma certeza:
A de que iria até onde as minhas forças o viessem a permitir e, certo é que, pelo menos, até aqui, junto a Vós, eu já cheguei.
-
-
Jaime Latino Ferreira
Estoril, 19 de Março de 2010

8 comentários:

. intemporal . disse...

.

. "da reflexão nasce a luz!" .

.

. porque é sempre possível .

.

. "quando" aqui venho,,, jaime,,, saio de alma lavada, pela raridade da sua aqui des.pojada .

.

. não é grande em tamanho, eu sei, jaime, já me disse, e sabe porquê?

.

. porque a sua dimensão é ampla.mente horizontal, a rasar a linha d`água de todo o horizonte, onde me verticalizo na ascese do abraço que lhe deixo .

.

. jaime,,, !!! os meus parabéns .

.

. um sábado feliz .

.

. sempre e,,, para sempre .

.

. seu amigo .

.

. paulo .

.

manuela baptista disse...

e quando

nos decidimos a enfrentar
ventos e marés é bom saber que os barcos têm leme, proa e ré

para que não sejamos nós, a aportar aos pedaços em praias desertas.

A coragem de um só homem, faz crescer a coragem de outros homens, tal como as palavras se multiplicam e replicam aquilo em que acreditamos!

Manuela

Jaime Latino Ferreira disse...

. INTEMPORAL .


Paulo,

Deixou-me completamente sem palavras ...!

Minto, se me tivesse deixado sem palavras não teria escrito o que Lhe escrevi onde me deixou tão bela dedicatória nem retomaria agora estas palavras que aqui Lhe deixo embora sem saber mais o que acrescente ...

Por isso e a rasar a linha de água projecto-lhe uma forte onda de afecto.

Seu e com toda a amizade


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 20 de Março de 2010

Jaime Latino Ferreira disse...

MANUELA BAPTISTA


Leme, proa e ré ... és tu!


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 20 de Março de 2010

Linda Simões disse...

Jaime,


os desafios estão aqui e acolá... A coragem de enfretá-los é que distingue as pessoas...

Parabéns.Pela entrega,pelo abraçar...



Beijinhos

Jaime Latino Ferreira disse...

LINDA SIMÕES


Minha Querida,

Ah ... é mesmo esse o ponto, aquele que nos nossos dias tanta falta faz e que motiva a tal crise de confiança de que tantos falam em vão!

Um beijinho


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 20 de Março de 2010

Brancamar disse...

Parabéns Jaime por todos os caminhos que o trouxeram até aqui, nestes 21 anos e trazendo-o até nós também nos veio acrescentar em amizade e sabedoria.

Deixo o desejo de muito êxito para esta empresa em que se lançou e que nós a possamos acompanhar num crescendo.

Beijinhos
Branca

Jaime Latino Ferreira disse...

BRANCAMAR


Querida Amiga,

Num crescendo ...

Creio que na página seguinte a um certo crescendo já se faz sentir!

Um grande beijinho, companheira de uma dedicatória


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 20 de Março de 2010