segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

QUALQUER DIA

Chris Dixon, Sunrise

Qualquer dia, bastará que seja lançado um qualquer movimento numa rede social em interface com outras redes para que este venha, por uma qualquer oportunidade que lhe surja associada, a abalar os fundamentos de um estado, criado o caldo susceptível de a desencadear e por mais democrático que ele, esse estado, o seja.
A nova glasnost a que, no oriente próximo, com toda a legitimidade, assistimos, quase incrédulos e que faz desmoronar autocracias umas atrás das outras, coloca na agenda esta eventualidade em relação à qual não adianta fugir e tanto mais quanto se acentuem os sinais de crise, económica, social e de representação política em que esse estado, democrático ou não, eventualmente, se veja mergulhado.
Estes factos, por si mesmos, dever-nos-iam levar a todos e, em particular, às democracias, apetrechadas que estão do contraditório que as deveria fortalecer, a reflectir seriamente.
Ah, dir-me-ão, mas um movimento, para que seja bem sucedido, não basta que surja de geração espontânea, tem de ser organizado e nele, uma qualquer autoridade terá de emergir!
Ah, contrapor-me-ão outros, mas uma autocracia é uma autocracia, outra uma democracia e ambos os casos, em si mesmos e deste ponto de vista, não são comparáveis!
Não o serão, pergunto-me ...!?
Os acontecimentos em curso no próximo oriente, é iniludível, vêm demonstrar a crescente importância do indivíduo, pelas ferramentas de comunicação ao seu alcance, no curso da História e dos acontecimentos a ela associados e tal facto, penso, não será necessário comprová-lo, salta por demais à vista.
Uma democracia, concordo, não é uma autocracia mas se nesta última tal pode acontecer o que impedirá de numa democracia, o sistema de representação possa vir a ser questionado, abalado e seriamente comprometido!?
Estas questões remetem para uma outra, a saber, qual é a fonte da autoridade, autoridade democrática, nunca é demais salientá-lo (!), autoridade sem a qual, qualquer movimento, por mais que surgido de geração espontânea, está, em si mesmo e por melhores que sejam as suas intenções iniciais, condenado ao fracasso?
E, a este propósito, direi apenas:
Por um lado, a autoridade assenta no direito legalmente estabelecido de alguém se fazer obedecer e essa legalidade ou existe, ou não existe;
Numa autocracia ela não existe!
Por outro lado, a autoridade deriva do valor pessoal e logo da importância que essa pessoa adquire, importância que em última instância remete para o mérito, esse tal valor comprovado que ou se tem ou não e que tem de poder ser mensurado, escrutinado em sentido amplo,
não apenas e necessariamente pelo sufrágio universal mas pelo valor da Obra por essa pessoa realizada.
Ora o valor, o valor de uma obra não se comprova na instantaneidade das redes sociais qual labareda que deitasse fogo a uma pradaria.
É no tempo que ele se aquilata, é no tempo que ele se alicerça, é no tempo que ele se agiganta.
É no tempo que ele se constitui em autoridade ...
... ou não!
E o tempo, esse, não se compadece com imediatismos voluntaristas de qualquer ordem que, eventualmente, substituam o que está por algo de pior ainda!
Neste particular, apenas as democracias, pela iniciativa estratégica, estão aptas a encontrá-lo ...
Que se acautelem as autocracias mas ... as democracias também!
Não, não é uma ameaça que aqui deixo, antes tema urgente, candente de reflexão ...

look all around this blog and wonder


Alma Grande


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 31 de Janeiro de 2011

9 comentários:

manuela baptista disse...

" no Inverno aperto o cinto
enquanto o vento assobia
no inverno aperto o cinto
qualquer dia
qualquer dia

no Inverno ganhei ódio
e juro que o não queria
no inverno ganhei ódio
qualquer dia
qualquer dia"

...voltaremos a cantar assim?

ps.como sei que és um distraído musical...o poema é de F.Miguel Bernardes, a voz de José Afonso

e o texto é teu e muito bom!

manuela




qualquer dia

quem diria

Linda Simões disse...

..." a crescente importância do indivíduo"...

Que qualquer dia,vai abalar os fundamentos de um estado e mostrar, de vez, sua importância na construçao de novos parâmetros numa sociedade que só pensa em lucro, poder, status...


Um abraço aos dois


Linda

Jaime Latino Ferreira disse...

MANUELA BAPTISTA


Qualquer dia ... é isso mesmo!


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 31 de Janeiro de 2011

Jaime Latino Ferreira disse...

LINDA SIMÕES


Lindinha ...!

Sempre bem vinda!

Um beijinho grande


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 31 de Janeiro de 2011

Jaime Latino Ferreira disse...

OUTRO DIA I


21 170 = + 150 visitantes!


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 31 de Janeiro de 2011

Jaime Latino Ferreira disse...

OUTRO DIA II


21 285 = + 115 visitantes!


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 1 de Fevereiro de 2011

Jaime Latino Ferreira disse...

APETECE-ME FICAR POR AQUI


As minhas três últimas páginas, processaram-se a um ritmo verdadeiramente alucinante, tão alucinante quanto, em pano de fundo se desenvolvem os acontecimentos que lhes subjazem no oriente próximo.

Num primeiro momento, em Turmoil, a perplexidade dos acontecimentos que lhes deram origem;

Num segundo momento, em Geopolítica Estratégica e a partir deles, desses acontecimentos, a recentragem na geopolítica dos direitos naturais, fundamentais, a geopolítica do eu que esses mesmos acontecimentos expressam, remetendo de volta, em nota de rodapé e em inglês, não por acaso, o libelo de dois sentidos que remete de volta a pergunta, mas afinal, e tu, que podes tu fazer por mim;

E, finalmente, aqui, em Qualquer Dia, a prospectiva pró-activa que olhando para o futuro, contém a chave que nos permite prevenir o momento, o tempo que transcorre à luz dos acontecimentos que, dominantes, vão fazendo História.

Não é para mais, verdadeiramente esgotado e como se não bastara já toda a intensa produção que até aqui e desde que este blogue surgiu se desenvolveu, protagonista de tantos Abris, confesso-Vos:

Por ora, apetece-me ficar por aqui!


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 1 de Fevereiro de 2011

Maria João disse...

Jaime

Meu amigo...

Se por ora lhe apetece...
Mas continue sempre! Pois é bom reflectir consigo, como sabe.
Ao lê-lo, é como se pudesse ver o que vejo, mas de um angulo diferente, mais apurado, mais transparente...

Um beijinho

Jaime Latino Ferreira disse...

MARIA JOÃO


Minha Querida Amiga,

Como já reparou, nem sempre o que apetece é aquilo que se faz ou que se entende dever fazer ...!

Quanto ao ângulo em que se vê, no caso, é o Seu somado ao meu, somatório que lhe dá outro apuramento ...

Um beijinho


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 3 de Fevereiro de 2011