quinta-feira, 30 de abril de 2009

SEM PÁGINAS DE UMA ARTE

II - ESPLENDOR NA RELVA
-
Splendour in the Grass Glory in the Flower
-
What though the radience which was once so bright
Be now for ever taken from my sight,
Though nothing can bring back the hour
Of splendour in the grass, of glory in the flower,
We will grieve not, rather find
Strength in what remains behind;
In the primal sympathy
Which having been must ever be;
In the soothing thoughts that spring
Out of human suffering;
In the faith that looks through death
In years that bring the philosophic mind.

-
William Wordsworth
-

"Esplendor na Relva" de Elia Kazan é um dos filmes mais tocantes da história do Cinema e da história da minha vida.
Deanie, interpretada por Natalie Wood, ao ser interpelada pela professora de Literatura sobre o poema "Splendour in The Grass, Glory in the Flower", parece ter dificuldade em explicá-lo e balbucia qualquer coisa como: "Os jovens olham para as coisas de uma forma idealística. Mas quando crescemos temos de esquecer os ideais da juventude e encontrar forças..." Depois não diz mais nada e foge a chorar despoletando todo um processo que a conduz à renúncia do homem que ama, o lindíssimo Warren Beatty.
Os mais belos filmes de amor, contam histórias de ideais e de renúncias e da dificuldade em concretizarmos os nossos sonhos.
Quantos de nós conhecem e testemunham o esplendor na relva e encontram forças, transportando para a frente tudo o que deixámos para trás? Compreendemos nós o poema?
Qualquer imagem deste filme é redutora. Ele tem absolutamente de ser visto no escuro e no silêncio de uma sala de cinema, num grande écran, amorosamente, esplendorosamente.
-
-
SENSO
-
É relâmpago
em pleno dia
é clarão
que entontece e dói
é vislumbre
que suspende
e grita
é luzeiro
que arde
e que destrói
é fogo
é luz
deslumbramento
brilho
que seduz
reflexo
magnificência
refulgência
fulgor
é esplendor
é amor
-
http://www.youtube.com/watch?v=lspRhX5Vhhg

Qualquer celebração deve ser esplendorosa, mesmo que seja humilde como a erva. A nossa, hoje dia 30 de Abril, tem a ver com o verde relampejante do aniversário do nosso casamento.

Manuela Baptista
Estoril, 30 de Abril de 2009

-

Celebrando também:
"Splendour in the Grass" de Elia Kazan
"West Side Story" de Artur Laurents; música de Leonard Bernstein
"Senso" de Luchino Visconti
"L'Amour est un oiseau rebelle" - Carmen de Bizet

10 comentários:

Jaime Latino Ferreira disse...

MANUELA


Meu Amor,

Quem testemunhe o esplendor na relva tem por obrigação passá-lo (...)"In the faith that looks through death
In years that bring the philosophic mind."

Na fé que trespasse a morte
e através dos anos que tragam consigo a reflexão, a maturidade.

Que nos fazem inaugurar este dia com o esplendor do primeiro, do sempre renovado e imortal momento.

E que para sempre aqui fica registado.

Que maravilhosa surpresa para iniciar o dia!

Amo-te muito


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 30 de Abril de 2009

Filomena disse...

Amigos,


O DIA É VOSSO.

O meu singelo mas sincero presente está na minha casa.

A porta está aberta.

Entrem.


Um beijo



Filomena

jaime latino ferreira disse...

BOUQUET


A ti te entrego um bouquet

De minha Amiga

Um porquê

Botões de rosas

Segredo

Uma prenda destinada

Mimos de cor encarnada



A ti te entrego sem quê

Obrigado Filomena

São suas rosas o amor

São redobrado vigor

Como o dia que renasce

Hoje e sempre em sua cor

Em teu imenso esplendor


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 30 de Abril de 2009

Jaime Latino Ferreira disse...

OS IDEAIS DA JUVENTUDE


Deanie,

És ainda muito jovem mas não, não podemos esquecer os ideais da juventude ...!

Temos antes de neles nos apoiar para que, sublimados, sublimados repito, neles nos apoiemos e encontremos a força para prosseguir sem que percamos margem suficiente para o ideal sem o qual, o momento que passa e passará não fará nenhum sentido!

(...) We will grieve not, rather find
Strength in what remains behind ( ... )

A força, a energia vai-se buscar ao que aconteceu, ao que ficou para traz mas está presente e que dele, do que aconteceu irradia se o não escamotearmos e valorizarmos!

Sorry but that's what I feel ...!


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 30 de Abril de 2009

Jaime Latino Ferreira disse...

PÁSSARO REBELDE


Sou um pássaro rebelde
E se me conformo
Não fico
Prostrado
Neste meu estrado

Amo-te
Dou-te o recado
Que me traz desamparado
Não por não saber o estado
Em que me situo
No Fado

Não é o destino
Um fardo
É o querer
Um vento largo
Crer é mais
É o rio Sado
É como um filho que é nado


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 30 de Abril de 2009

mauela baptista disse...

Ao Jaime,

bonitas palavras, bonitos poemas, que estão exactamente à altura da minha página surpresa e do meu Amor.

À Filomena,

obrigada pelas rosas e pela porta aberta.

No entanto o dia é nosso, mas também é VOSSO.

Os sentimentos quando expostos num lugar onde qualquer um pode circular, são pessoais, mas são partilhados e oferecidos aos outros, como a glória das flores.

Beijos

Manuela Baptista

manuela baptista disse...

O efeito secundário dos dias de festa partilhados, é ficarmos um pouco como o Hortelinho Troca Letra...

"Mau ela", não é a minha identidade secreta.

Manuela Baptista

Ana Cristina disse...

Queridos amigos

Que estejam sempre juntos e esplendorosos num amor verdejante e surpreendente.

1 grande beijinho da amiga
Ana Cristina

Jaime Latino Ferreira disse...

É COMO DIZES


Os sentimentos quando expostos num lugar onde qualquer um pode circular, são pessoais, mas são partilhados e oferecidos aos outros, como a glória das flores.

Das flores que cada um é e que não são para ser, ciosamente, guardados mas dados a respirar para que todos possam, na esperança, respirar melhor.

Ao longo dos anos muitos poemas de amor partilhámos mas podê-lo fazer e comungar assim, aqui neste nosso blogue, não é ostentação ofensiva ou arrogância mas dádiva maior que se pode surpreender abre uma fresta à possibilidade sem a qual nos transformamos em desertos áridos e ressequidos, sem humanidade e sem sonho.

( ... ) In the primal sympathy
Which having been must ever be ( ... )

Na primordial empatia
Que tendo havido
Sê-la-á para sempre


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 30 de Abril de 2009

Isabel Venâncio disse...

Manuela e Jaime
Como sabem, ainda estou demasiado fechada em mim. Raramente, me demoro noutros lugares...embora os traga comigo.
No entanto, aqui estou!
Não os conhecendo pessoalmente; não privando convosco no dia a dia, não pude deixar de me enternecer com o Amor e Amizade que nutrem um pelo outro.
E é tão bonito.
Deixo um dos poemas de Amor que considero mais bonitos.
Por ser terno, por ser ingénuo...por ser jovem, como deve ser sempre o Amor.
Que celebrem muitas vezes ... e assim:-)
Isabel


O amor

O amor, quando se revela,
Não se sabe revelar.
Sabe bem olhar pr'a ela,
Mas não lhe sabe falar.

Quem quer dizer o que sente
Não sabe o que há de dizer.
Fala: parece que mente
Cala: parece esquecer

Ah, mas se ela adivinhasse,
Se pudesse ouvir o olhar,
E se um olhar lhe bastasse
Pra saber que a estão a amar!

Mas quem sente muito, cala;
Quem quer dizer quanto sente
Fica sem alma nem fala,
Fica só, inteiramente!

Mas se isto puder contar-lhe
O que não lhe ouso contar,
Já não terei que falar-lhe
Porque lhe estou a falar...

Fernando Pessoa