quarta-feira, 18 de março de 2009

MOMENTO

Sinto a calma como se fosse o pousio da alma.
A agitação parou, sobretudo, na ansiedade interior que nos últimos dias me tem assolado.
Paro!
O som, no cromatismo que dele emerge, sereno, tranquiliza-me ainda mais.
Como se sempre ali tivesse estado, coloquiante, uma sonoridade respondendo a outra mansamente, uma distante e outra que se aproxima e afasta de novo mergulhando na tonificação constante do movimento perpétuo que nunca se ausenta, rotativo pano de fundo sem o qual, mergulharíamos no caos.
Respiro fundo, por todos os poros e deito-me, por fim, numa sesta retemperadora, abraçado ao meu amor.
Desterrado, o garoto sonha ainda dentro de mim.
Diz-me o que oiço que permaneça assim, sem me mexer.
-
-
Jaime Latino Ferreira
Estoril, 18 de Março de 2009

2 comentários:

jaime latino ferreira disse...

O DESTERRADO

( Soares dos Reis )


O desterrado permanece ali, incólume, parado numa fracção temporal ou num momento, eternamente jovem e recatado, em pose quase feminina, atraente, belo.

No seu pudor de exilado, ciente de si mas escurraçado pelas invejas de capelinhas sem fim temendo-se obscurecidas pela claridade da sua presença que as destronaria, sonha acordado como um garoto nos sortilégios da criança na sua própria animação que a tudo dá vida, objectos indignados das suas tropelias.

Na sombra, um vulto tenta escapulir-se ao som de um movimento perpétuo dedilhado com mestria numa guitarra como água corrente que em turbilhão se funde com o rio e com o mar, com o infinito.

Tudo num momento.


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 18 de Março de 2009

Filomena disse...

Jaime,

Carlos Paredes!

Obrigada por um momento tão belo e tocante.
Nada melhor para acompanhar este seu texto.

Beijinhos


Filomena