terça-feira, 19 de maio de 2009

ESTATÍSTICA E CULTURA

Estatística ou colecta de dados quantitativos, recurso metodológico para se obter objectividade e/ou grau de certeza quanto à relação entre hipóteses e análise dos dados e as suas interpretações.
Cultura ou ilustração, o saber de uma pessoa ou de um grupo social.
Pode-se quantificar os saberes mas não o saber.
Se são complementares, as duas noções, estatística e cultura, não se esgotam uma na outra.
A cultura não é uma mera colecta de dados, mede-se antes na capacidade em os organizar num todo coerente, de qualidade intrínseca e se é estatística, então é-a apenas na medida em que saiba relacionar dados com hipóteses e as suas interpretações.
Mais do que enumerar muitos dados, o saber é a capacidade de dialecticamente os relacionar e mesmo se a contra-corrente.
O saber não se sufraga, não tem razão porque muitos o corroborem.
A força do saber, da cultura, advém-lhe da sua coerência interna e nesse sentido sim, da sua força estatística.
Estatística e cultura convergem mas divergem também.
O saber, a cultura não se vota, é.
Tal como uma fórmula matemática, uma hipótese científica, uma obra de arte, uma ária de Mozart ou o amor.
-
Mulheres
Vós que sabeis
O que é o amor
( ... )
-
Jaime Latino Ferreira
Estoril, 19 de Maio de 2009

7 comentários:

jaime latino ferreira disse...

OITO HORAS DEPOIS


Oito horas depois, ainda não há comentários.

O que dirá a estatística a este respeito?

Que ninguém me leu!?

Que lida que foi esta página, ela não foi entendida!?

Que não houve ainda disponibilidade para aqui serem deixadas reflexões!?

Que, por ter sido entendida, nada mais há a comentar!?

Interrogo-me na esperança metodológica de, através dos dados que me sejam fornecidos, obter outro grau mais preciso de objectividade, de rigor estatístico que culturalmente, analiticamente possa ser interpretado.

Que me permita olhar para o reflexo do que aqui Vos deixei e orientar-me de acordo com o gráfico estatístico daí resultante.


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 19 de Maio de 2009

Filomena disse...

Bom Dia Jaime!

Eu acho sempre engraçado observar as suas duas vertentes; a vertente do poeta e a do "quase milimetricamente falando" músico que junta a matemática nas apreciações que faz.

Penso que esta vertente tem a ver com os estudos musicais que fez e que faz
Comigo, passa-se algo parecido, mas talvez um pouco mais esbatido por causa da dança clássica que durante muitos anos pratiquei( talvez se note na" mania das perfeições).


Gostei do texto e achei interessante a "quantificação ou a ausência dela", quando se fala em cultura.

O homem mais culto do mundo pode ser um perfeito desconhecido e não contar para nenhum dado estatístico!!!
Não é verdade que os homens, não se medem aos palmos?


Beijinhos



Filomena

jaime latino ferreira disse...

FILOMENA


Minha Querida,

Um poeta é também um músico, uma músico das palavras!

E, se é um músico, ele também é um matemático na medida em que esta, na acústica como no ritmo, nela estatisticamente, diria, se exponencia.

Consigo é tudo um tanto mais coreográfico e logo visual, plástico no sentido formal do termo.

Ao escrever este texto, pretendia sublinhar a contradição entre estatística e cultura.

No entanto, a consulta do dicionário, ferramenta imprescindível no lidar milimétrico com os conceitos, alertou-me para a vertente analítica, interpretativa e logo cultural da quantificação factual, dos dados.

É claro que a quantificação é importante mas ela está logo, intrínseca, está ou não está (!), naquilo que se escreve e que é, em si mesmo, um dado cultural.

Voilá!


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 19 de Maio de 2009

Filomena disse...

ARRE!

Com um pupilo assim, chego num piscar de olhos à Cátedra!


Beijos da professora bailarina

Jaime Latino Ferreira disse...

FILOMENA


Minha Querida Amiga,

Sem querer irritá-La com outros arres:

Sabia que o gráfico, a sinalética estatística se aproxima mais da escrita musical do que, à primeira vista, possa parecer?

Ambas tentam representar o espaço na sua tridimensionalidade e o tempo!

Já agora, agradeço-Lhe que tenha editado no seu blogue Em Segredo a minha réplica a Tennessee Williams ...

Um beijinho, Querida tutora bailarina


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 19 de Maio de 2009

manuela baptista disse...

Dezanove horas e seis minutos depois, existem 5 comentários.

A este respeito a estatística dirá que:
-das 9:30 às 11:30 exercitei os abdominais, a cintura,o pescoço e por aí fora.
-das 12:00 às 13:00, com meia torrada pelo meio, cavalgámos as marés
-das 15 às 18:30, com uma sesta pelo meio, lutei com uns pedaços de salmão, que segundo consta possui uns óleos fantásticos, mas que, para além do grelhadinho malcheiroso, é chatinho de cozinhar
-das 18:00 às 19:00li "Kafka à Beira Mar" um calhamaço que estou a adorar

Logo,apenas às 19:06 me acerquei do pc...

Voilá!
Estatisticamente falando, tenho uma rica vida!

Mas reflectindo melhor, que probabilidade existe,de termos uma boa professora e ao mesmo tempo uma bailarina?!

Aqui, a minha cabeça ficou logo a fervilhar e a contar uma história de sapatilhas cor-de-rosa, de românticas caixinhas de música ou de meninos extasiados a soletrar "Pas de Deux", "Plié" e "Contre Plié" e a dançarem por cima das carteiras.
Bonito!

E quantos anjos de asinhas pequeninas, usam calções e meias pelo joelho?
Voi Che Sapete...

E assim, expliquei-vos muito bem o que é a cultura, não acham?

Manuela Baptista

jaime latino ferreira disse...

MANUELA


Adorável,

Queres mesmo que te responda ...!?

É que, bem vês, tal ir-me-ía obrigar a puxar dos calhamaços, do papel milimétrico e da estatística quiçá, para fazer a interpretação, a análise, em suma a cultura dos dados recolhidos!

E tenho, não se vá perder a frescura do diálogo que travei com a Filomena, de passar, de imediato, ao cultivo da página que se seguirá.

Não te melindres, amo-te muito


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 19 de Maio de 2009