sábado, 22 de agosto de 2009

MEADA

Minha meada
meu par
meu cavalinho
a saltar
de ti desenrolo
o fio
do que te escrevo
a cantar
-
Onde estás tu
minha amada
sério pergunto
enredada
na ponta
desta fiada
de que não perco
a entrada
-
Não perco
tão pouco
a saída
o caminho
desta estrada
és meu farol
enseada
és minha luz
saciada
-
Oh meu amor
és a cor
és a verdade
sem dor
quando brincas
tu és flor
de meu imenso
esplendor
-
-
Jaime Latino Ferreira
Estoril, 22 de Agosto de 2009
sem título

5 comentários:

manuela baptista disse...

O Vento nos Salgueiros

Entre salgueiros
e fios
a velocidade da luz
é relâmpago apagado
meada reencontrada
na eterna margem
dos rios

Manuela Baptista

Jaime Latino Ferreira disse...

RIO


Da minha
à tua margem
vai um clarão
supersónico
é deste rio
a portagem
da luz
que me põe atónito

É tua margem
distância
aproximação
e constância
é um poema
sem ânsia
palavra
e elegância

Velocidade
da luz
relâmpago
ofuscado
caminho
em que me puz
a guardar
o bem amado


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 22 de Agosto de 2009

Filomena disse...

Sempre o Jaime a mandar recados à sua amada Manuela.

Gosto

Beijinhos aos dois

Filomena disse...

Sempre o Jaime a mandar recados à sua amada Manuela.

Gosto

Beijinhos aos dois

Jaime Latino Ferreira disse...

FILOMENA


Sabe, minha Querida, se consigo, publicamente, sem expor o que não devo expor mas, em simultâneo e com toda a intensidade, mandar recados à minha amada, então, consigo mandá-los a todo o Mundo ...!

Um beijinho para Si e obrigado


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 22 de Agosto de 2009